outubro 24, 2008

O Amor do Senhor é Incondicional !

arrependimento Você já negou o Senhor alguma vez? É provável que sim. Não negamos o Senhor apenas com palavras, mas também O negamos quando deixamos de dar testemunho Dele para nossos amigos, vizinhos e pessoas em geral. É quando nos escondemos para não ser vistos saindo de uma reunião da igreja, quando deixamos de orar nos restaurantes porque ficamos com vergonha ou quando chamamos a Bíblia que levamos de agenda. Não somos agentes secretos de Cristo, mas Suas testemunhas! A principal função de uma testemunha é falar. E essa necessidade aumenta à medida que as trevas se intensificam no mundo. Como há necessidade hoje em dia de dar testemunho do Senhor! Essa necessidade aumenta principalmente quando, cada vez menos, temos pessoas O expressando e dizendo que Ele é o Salvador do mundo. Como está seu testemunho? Ele ainda não foi abafado pela simples presença da criada, foi !? (Mateus 26:69-75).
     Depois que Pedro negou o Senhor dizendo: "Não sei o que dizes"[...],[...] não conheço tal homem[...],[...]  e começou "a praguejar e a jurar: não conheço esse homem[...]".  "Entao, voltando-se o Senhor, fixou os olhos em Pedro, e Pedro se lembrou da palavra do Senhor, como lhe dissera: Hoje, três vezes me negarás, antes de cantar o galo. Então, Pedro, saindo dali, chorou amargamente" (vs. 70,72, 74; Lucas 22:61-62). Não pode ter existido um dia pior para Pedro do que esse. Ele negou seu mestre que o amou em todas as circunstancias (João 13:1). Certamente o olhar do Senhor, de cordeiro que segue manso e silenciosamente para o matadouro, o fizeram sofrer demais. O versiculo diz que ele chorou amargamente. Possivelmente Pedro não tenha nem entendido por que agiu daquela maneira, mas é certo que ele estava se punindo e se achando o mais miseravel homem que esta terra conheceu. Talvez pensasse: "Judas traiu mas nunca disse ao Senhor que O seguiria até o fim e O amaria com todas as forças. Mas eu, eu fiz tudo diferente daquilo que prometi. Prometi amar e não amei; prometi fidelidade e não fui fiel, estou acabado!" Ele deve ter passado os três dias mais sombrios de sua vida.
     Como o tentador não deve ter tentado induzir Pedro para tomar o mesmo caminho que o traidor, Judas! Mas, graças ao Senhor pelas palavras que Ele colocou na boca do anjo: "E a Pedro" (Marcos 16:7)! Por essas palavras, vemos o quanto o Senhor é insistente nessa obra de transformação. Essas palavras cortaram qualquer possibilidade de Pedro renunciar a sua vida. Essas são as palavras do Senhor para nós. Podemos até não ser fiéis, mas Ele sempre será fiel. Deus nunca desistirá dos "Pedros"!
     Essas palavras: "E a Pedro" são a reconfirmação do contrato que o Senhor fez com ele - o contrato de que o transformaria (João 1:42). Temos aqui dois grandes contrastes: "Eu não conheço esse homem" e "E a Pedro". Por quantas vezes o inimigo não fez Pedro lembra-se do "Eu não conheço esse homem", mas quantas não foram as vezes que o Espírito o fez lembrar-se do "E a Pedro"!? Use essa arma toda vez que o inimigo vier o acusar. "E a Pedro" é a palavra de Deus para todos nós que constantemente erramos e falhamos.
     No capítulo 21 de João, vemos o último episódio do SenhorJesus com Pedro nos evangelhos. Pedro ainda estava um pouco atordoado com tudo que acontecera. Sua vida, de uma hora para outra, foi alterada. Muitas coisas aconteceram a ele desde o dia que o senhor o "demitiu" de sua ocupação de pescador. Esses últimos anos de Pedro foram demasiadamente agitados, principalmente, essa última semana: ele negou seu mestre, que foi morto, ressuscitou, apareceu a ele e desapareceu; sem falar do suicidio de Judas. Havia muitas dúvidas e incertezas no coração de Pedro. Foi nesse contexto que disse: "Vou pescar. Disseram-llhe os outros: Também nós vamos contigo. Saíram, e entraram no barco, e, naquela noite, nada apanharam" (v. 3).
     Quando Pedro disse que ia pescar, de imediato, os outros discípulos disseram: "Também nós vamos contigo". Pedro não precisou chamar os outros discípulos; eles simplesmente foram. Sem saber, estamos constantemente influenciando as pessoas ao nosso redor. Por isso devemos ter cuidado com nossas palavras e com o lugar que estamos escolhendo para ir, porque nunca falamos para o ar e dificilmente fazemos as coisas sozinhos. Sempre há alguém nos ouvindo e nos seguindo. Para onde você está levando seus irmãos em Cristo? Que tipo de influencia você está exercendo sobre eles: negativa ou positiva? Será que você não os está levando para o mesmo lugar de onde o Senhor um dia os tirou? Para o lugar de onde o Senhor nos tirou não podemos voltar mais. O Senhor tinha chamado Pedro para outra coisa: pescar homens. No dia em que Pedro foi "demitido" de sua ocupação de pescador pelo próprio Senhor, ele estava sendo admitido como pescador de homens. Mas agora Pedro estava voltando para lá e, com ele, os outros discípulos.
     Muito embora ali houvesse apenas pescadores experientes, naquela noite não conseguiram apanhar peixe algum. "Mas, ao clarear da madrugada, estava Jesus na praia"  (v. 4) e "perguntou-lhes: Filhos, tendes aí alguma coisa de comer? Responderam-lhe: Não" . Quando Jesus os orientou para jogar a rede à direita do barco, ao obedecerem, pescaram muitos, muitos peixes. Naquele mesmo instante, João, reconhecendo que era Jesus, "disse a Pedro: É o Senhor" (v.7). Pedro, saindo mais rápido do que os outros, mesmo tendo que ainda se vestir, chegou à praia onde já estava o Senhor, aguardando-os com peixes e pão. Que amor tem o Senhor pelos Seus discípulos! Mesmo que todos tivessem algo para ser repreendido, o Senhor em vez de fazê-lo prepara uma ceia de amor para eles! Ele ainda pede que Pedro acrescente mais alguns peixes que tinham sido apanhados. Depois de assados, o Senhor os convida a comer.
     Os discípulos ainda chocados com toda aquela cena, certamente, estavam se entreolhando e cada um esperava que outro quebrasse o silencio e dissesse alguma coisa; mas ninguem ousava dizer nada.
     Depois de tudo preparado, o Senhor começou a servi-los pessoalmente um a um. Ele tinha algo a falar mas não queria faze-lo até que estivessem todos supridos. Pedro devia estar desconfiado e envergonhado, ainda mais quando o Senhor lhe perguntou por três vezes se ele O amava mais do que tudo. O Senhor não o repreendeu por nada, senão que o comissionou mais uma vez e reafirmou, de forma indireta, que continuaria ainda aproveitando cada situação para transforma-lo: "Em verdade, em verdade te digo que, quando eras mais moço, tu te cingias a ti mesmo e andavas por onde querias; quando , porém, fores velho, estenderás as mãos, e outro te cingirá e te levará para onde não queres"(v.18).
  As duas maravilhosas cartas de Pedro são uma garantia para nós de que o Senhor alcançou Pedro e o transformou completamente. Sua vida e natureza (de Deus) foram trabalhadas nele. Louvado seja o Senhor, Aquele que nunca desiste de nós e que vai completar a obra que iniciou em cada um - a obra de transformação!


                (texto extraído do JAV nº 190 - da coluna "Sete Cestos")  

 
Blogger Templates